Assepsia de equipamentos hospitalares: como realizar de maneira segura

assepsia de equipamentos hospitalares
3 minutos para ler

A assepsia de equipamentos hospitalares é um assunto demasiadamente importante e que deve estar sempre em pauta entre os gestores de hospitais. Afinal, apenas com os ambientes muito bem higienizados é que se pode evitar contaminações no estabelecimento.

Neste artigo, explicaremos o que é assepsia, quais são os seus principais tipos e como realizar esse processo de forma segura nas clínicas e hospitais. Ficou interessado? Então, é só seguir a leitura nos tópicos a seguir!

Entenda o que é assepsia

Podemos definir a assepsia como um conjunto de atividades desenvolvidas para evitar que micro-organismos penetrem em locais nos quais eles não existem. Tratam-se de cuidados que devem ser tomados pelas pessoas no dia a dia, porém, em hospitais, protocolos padronizados devem ser seguidos.

É preciso, por exemplo, que sejam utilizados produtos descartáveis, como seringas e máscaras. Ao fazer o uso único desses itens e descartá-los corretamente, evita-se que um médico ou enfermeiro se contamine com um vírus ou bactéria transmitido por um paciente, bem como o leve para outras pessoas internadas.

A assepsia de equipamentos hospitalares deve ser feita cotidianamente, mas em épocas de epidemia ou pandemia, como a recente crise de Covid-19, é essencial que os cuidados sejam redobrados. Tudo deve ser higienizado com muito mais frequência, para evitar contaminações.

Conheça os principais tipos de assepsia de equipamentos hospitalares

Existem diferentes tipos de assepsia que devem ser realizados em hospitais. Na sequência, falaremos sobre os principais deles. Acompanhe!

Limpeza

A limpeza é o procedimento em que são removidas diferentes sujidades e detritos. Assim, se mantém o asseio do ambiente e dos equipamentos hospitalares. Dentro dessa classificação, ainda existem as seguintes subdivisões:

Powered by Rock Convert
  • limpeza mecanizada de piso: deve ser feita com máquina de lavar e detergente hospitalar;
  • limpeza preparatória: realizada em ambientes e equipamentos antes da utilização, como em um quarto, antes de receber o paciente;
  • limpeza especial: feita com desinfetantes em todos os equipamentos próximos a um paciente infectado por vírus ou bactérias fortes;
  • limpeza concorrente: trata-se da higienização diária do quarto e equipamentos utilizados por um paciente internado;
  • limpeza terminal: é higienização completa do quarto e equipamentos usados por um paciente que recebeu alta.

Desinfecção

A desinfecção é a atividade que visa destruir os agentes infecciosos patogênicos, que podem permanecer nas superfícies dos equipamentos e ambientes.

Para isso, devem ser utilizados desinfetantes como o hipoclorito de sódio, os compostos fenólicos e o iodo.

Descontaminação

A descontaminação é feita quando se elimina total ou parcialmente as cargas micro bacterianas que possam estar presentes nos equipamentos hospitalares e também nas superfícies do ambiente, como chão e paredes.

Os procedimentos de limpeza e desinfecção proporcionam a descontaminação, de acordo com a necessidade de cada situação.

Realizar a assepsia de equipamentos hospitalares de maneira correta é essencial para que os pacientes e funcionários do estabelecimento de saúde não se contaminem com vírus e bactérias. Ao criar protocolos claros para esses processos, problemas graves poderão ser evitados.

Ficou com alguma dúvida sobre o assunto? Sinta-se à vontade para deixar um comentário no espaço abaixo. A sua opinião é sempre muito bem-vinda por aqui.

Powered by Rock Convert
Você também pode gostar

Deixe um comentário